quarta-feira, novembro 22, 2006

Meu estômago impacienta-se, Comprimido entre duodeno e esôfago, Se contorce em dores suportáveis Até que em vias de sentir coisa parecida com estupor Se descontrai já na boca preste a pronunciar amor. E quando penso que recupero o fôlego Tão logo acabe este suspiro, Vejo comprometido todo o meu sistema respiratório, Com um poema todo pronto Preso na laringe. Palavras, milhares delas, escapam, Não são ditas, escorregam pela Traquéia e vão jazer nos brônquios; Letras abismadas, inflamam! E na caixa toraxica um órgão carismático Pulsa sozinho, Enquanto circula na veia a tinta.

11 comentários:

Lux Luxo disse...

É, eu reparei que isto denuncia a falta de originalidade em mim, mas onde se encaixa a palavra amor, muitas vezes e por muitos já foi dito e sentido.
Se eu sabia que ia sair deste jeito, como se quisesse imita-lo , não tinha escrito, não incomodava a caveira do morto.
Céus, até quando sou espontânea , imito.
Sequer pude colocar título, que não achei que fosse digno, que quanto mais eu tentar me explicar, mais patética, presunçosa vou parecendo. E que surja gente pra dizer um nada haver, que sou figura ridícula, burra e engraçada, que quase morreu de rir e que, e e e e, e veio a esta caixa de comentário e leu este mais até aqui, pensou: tenho vergonha por ela.
Não sei se me explico mais por ter achado parecido, por ter escrito, por ter achado que cheguei perto de parecer, ou por que me acho importantíssima, mentindo até aqui.
Deus queira que eu seja o único exemplar deste tipo de gente, que se eu encontrar outro igual, aí. Odeio-me.

Bárbara disse...

fato na parte do "tenho vergonha por ela" eu já me morro de rir, imagine o resto, aqui sozinha só com o pc, que hão de pensar os que passam? veja bem quem é a louca, indagação.

afinal,

oi, eu gosto de você, escrito.

Lux Luxo disse...

Bom, que vão pensar os que pensam?
Na verdade eu ando contando as mentiras, está até meio patológico, sabe?

Alter-egos disse...

angústia da influência, angústia da contaminação. Abortados foram os poetas desde o iluminismo. Franceses são pessoas assaz tediosas.

Lux Luxo disse...

Hum, mas náo estamos falando de poetas brasileiros?

Lou H. Mello disse...

Mas, que é um poema anatômico, isso é. A anatomia de uma vida preciosa, corpo, alma e espírito.

Alter-egos disse...

falo do iluminismo francês.

Lux Luxo disse...

Já eu imaginava uma coisa mais para o obscurantismo...e made in brazil.

Luciano Indignado disse...

quanta discussão... o que pensarão não sei quem... o que vão achar disso ou daquilo...

as pessoas pensam em demasia...
cansei de pensar... agora tô só vivendo.... vem dando certo pra mim!!!! tô feliz!!!

beijos pra vc...
pessoa que eu gosto muito... vc deveria se gostar que nem as pessoas gostam de vc!!! =)

Lux Luxo disse...

Eu deveria mesmo era me matar!

*
Luzinho, você é um doce, um amigo.
Amo-te!

Bárbara disse...

matar de rir vc já me mata. e de amor; nota 3 pra mim?