quarta-feira, fevereiro 15, 2006

E os bestializados.

“ Quando me pus a considerar as diversas agitações dos homens , os perigos e os castigos a que eles se expõem, na corte e na guerra, e que dão origem a tantas contendas, tantas paixões, tantos cometimentos audazes, e muitas tantas vezes funesto, descobri que toda felicidade dos homens vem de uma só coisa, que é de não conseguirem ficar quietos, dentro de um quarto”. Blaise Pascal. É claro que até o fim do trecho Blaise conclui que o divertimento é muito importante para quem pretende ser feliz, mas adiante revela que o homem que procura o tumulto é o mesmo que percebeu qual a sua condição, naturalmente. Posto isto, reafirmo, é da natureza do homem se arrebanhar, estar aos bandos. Empregam-se, aos monte, em planos estranhos, reverenciam ícones criados por eles e são achacardos pelos mesmos, feito bestas. É de causar perplexidade , mesmo a um exemplar tão entusiasmado como eu, a gana que os invade e os carrega para o aperto. Alguns até morrem, pois, certos eventos têm um caráter muito semelhante ao de algumas guerras. Este que se dará na praia de copacabana complementará a ficha corrida de causadores de caos num único distrito. A conta será paga pela prefeitura com os tributos arrancados dos que povoam a cidade e por alguns empresários ocupados em enfiar produtos inúteis em goelas embriagadas. Seria trágico se não fosse também cômico, pois, é sempre o gado que paga a conta. Mandam trancar as bibliotecas, os livros raros estão em prateleiras altas, fora de alcance, não poderão saber o que está contido neles. As filas dos hospitais denunciam a ausência de profissionais, talvez seja o plano do mal deixar que morra gente, já que há multidões. Os presídios estão superlotados de famintos, de terreno onde plantaram seu modelito de vida feliz via televisão. As ruas, bom, têm toda qualidade de crimes; é a fome, minha gente é a fome, o medo, o frio, não se enganem. E há ainda as enchentes que faz boiar a sujeira. Estas contas ninguém paga, talvez para que se possa manter vivo o espetáculo grandioso que vende jornais( que mentem para não causar pânico na população ou por que não sabem de nada). Bom, se encontrarem-me arrebanhada ao restante do produto do mundo na praia de copacabana, mandem me prender, pois, é certo, eu tenho uma bomba. * Trabalho. Só sei que chorei ao ver o leite derramando na mesa, pois, me pareceu muito com sangue... * “ Assim se escoa a vida toda. Procura-se o repouso combatendo alguns obstáculos; e quando esses são superados, o repouso torna-se insuportável pelo tédio que engedra. É preciso então sair e mendigar o tumulto”. Blaise Pascal. * Em que império mesmo que seus governantes organizavam festivais para a população quando esta estava descontente com eles? Ô mundo caduco! Como eles costumavam dizer: Pão e circo! Céus, isto é muito ofensivo, quase não posso suportar.

Sem comentários: